A importância de arquivar os resultados do monitoramento de pressão arterial

A hipertensão arterial é o aumento persistente da pressão arterial do indivíduo. Embora não tenha cura, a doença pode ser controlada.

Para isso, o paciente deve reduzir o consumo de sal, aumentar a prática de atividade física, não fumar, limitar o consumo de álcool e priorizar uma alimentação saudável.

Além disso, é fundamental que o hipertenso siga todas as recomendações médicas e, claro, faça o monitoramento frequente da pressão arterial.

Afinal, a prática permite que o indivíduo seja mais ativo no próprio tratamento e que forneça ao seu cardiologista informações valiosas sobre a sua saúde cardiovascular.

No entanto, isso depende de um bom monitor de pressão arterial doméstico e do armazenamento dos resultados das medições.

Quer saber mais sobre o assunto?! Então, continue a leitura!

 

Pressão alta: a doença crônica mais incidente no Brasil

De acordo com dados do Ministério da Saúde, a hipertensão arterial – mais conhecida como pressão alta – é a doença crônica mais incidente no Brasil.

O número de hipertensos ultrapassa, inclusive, o número de obesos e diabéticos.

Traduzindo esses dados para valores numéricos, cerca de 30% da população do país é hipertensa, de acordo com a Sociedade Brasileira de Cardiologia.

A incidência da doença aumenta conforme a idade, atingindo quase 63% das pessoas com 75 anos ou mais.

No entanto, ao contrário do que muita gente pensa, a pressão alta atinge qualquer faixa etária, inclusive, crianças e adolescentes, tendo prevalência de 3 a 5% nessa faixa etária.

 

E a principal causa de mortes no país

A grande questão é que, se não identificada e controlada, a hipertensão arterial pode levar ao desenvolvimento de doenças no coração e nos vasos sanguíneos, além de complicações no cérebro e rins.

Inclusive, no Brasil mais de 350 mil pessoas morrem todos os anos em decorrência de complicações cardiovasculares e, de acordo com a Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC), a pressão alta é a principal responsável por essas mortes.

Por isso, hoje ela é a principal causa de morte no Brasil.

A instituição ainda alerta que a pressão alta pode agravar quadros de infarto, aneurisma arterial e até insuficiência renal. E os hipertensos têm risco aumentado de desenvolver complicações pela COVID-19.

 

A importância do monitoramento da pressão arterial

Por mais que seja uma doença crônica, grave e degenerativa, as complicações associadas à pressão alta são consideravelmente reduzidas se ela for diagnosticada e tratada corretamente.

Inclusive, o controle da pressão arterial reduz em 47% as taxas de AVC e pode evitar ou postergar quase metade das mortes relacionadas à doença.

No entanto, um dos grandes desafios relacionados à pressão alta é que ela é assintomática e, na maioria dos casos, a única forma de identificá-la é por meio da aferição da pressão arterial.

Nesse contexto, todo o cidadão deve aferir a pressão arterial ao menos uma vez ao ano, a fim de conhecer e controlar os níveis da sua PA.

A prática, somada a adoção de hábitos de vida mais saudáveis, é fundamental para prevenção da hipertensão arterial e dos fatores de risco associados a ela.

Para hipertensos, o monitoramento da pressão arterial deve ser ainda mais frequente, uma vez que os valores das aferições – especialmente, em casa – são muito úteis para sucesso do tratamento e efetivo controle da pressão arterial.

Inclusive, os valores medidos devem ser armazenados. Entenda mais a seguir.

 

Por que arquivar os resultados do monitoramento?

Além de monitorar a pressão arterial, o hipertenso deve armazenar os valores da pressão arterial aferidos em casa. A seguir, separamos dois motivos para isso:

Dados importantes para o tratamento adequado

A Liga Mundial da Hipertensão (WHL, na sigla em inglês) incentiva a automedida da pressão arterial. Segundo a divisão, os resultados contribuem com informações importantes a respeito da saúde cardiovascular do paciente.

Afinal, a medição em casa é realizada em um ambiente tranquilo, calmo e onde o indivíduo passa a maior parte do tempo. Além disso, com um bom monitor de pressão arterial digital, as medições são simples e precisas.

Os dados podem ser repassados para o médico cardiologista para que ele tenha mais informações sobre a pressão arterial do indivíduo e consiga definir o melhor tratamento. Inclusive, é comum que o cardiologista solicite ao paciente resultados do monitoramento residencial.

Identificar possíveis variações da pressão arterial

Em muitos casos, o paciente apresenta determinado valor da pressão arterial no consultório, mas em casa, ele apresenta uma elevação ou queda da PA – as chamadas  hipertensão mascarada e hipertensão do jaleco branco, respectivamente.

Para identificar essas variações e possíveis brechas no tratamento, o paciente pode realizar medições da pressão arterial em casa e armazenar as informações no próprio monitor. O aparelho pode ser levado ao médico no dia da consulta.

Além disso, ter um monitor de pressão arterial em casa e conhecer os níveis da própria pressão arterial também é importante para que o indivíduo consiga prevenir e identificar situações de urgência e solicitar ajuda.

 

Opte por um monitor de pressão arterial com memória

Como vimos, o monitoramento residencial e registro das medições são muito importantes para o sucesso do tratamento do hipertenso.

Mas, para que a estratégia tenha bons resultados é preciso contar com um monitor de pressão arterial simples de usar, seguro, preciso e confiável. Além disso, é fundamental que o aparelho ofereça memória para armazenamento automático das medições.

Do contrário, o hipertenso precisará registrar as aferições em um papel, o que pode trazer uma série de problemas, por exemplo, anotações erradas, perda do papel, rasuras, dificuldade em interpretar a letra, entre outros problemas.

Mas, onde encontrar um monitor de pressão arterial com memória de armazenamento e que possa fazer ainda mais pela sua saúde?! Descubra a seguir.

 

Onde encontrar um monitor de pressão arterial com memória de armazenamento?

A MedLevensohn – uma das principais empresas que comercializam produtos voltados para a saúde e o bem-estar no país – desenvolveu o projeto Medhyper.

O objetivo foi importar para o Brasil todas as tecnologias de última geração voltadas para o cuidado de pacientes hipertensos.

Para isso, o projeto se aliou a Microlife, marca líder mundial na fabricação e desenvolvimento de equipamentos de diagnóstico médico, e produtora dos melhores monitores de pressão arterial do mundo.

Portanto, se você precisa de um monitor de pressão arterial de alta durabilidade, precisão e tecnologias exclusivas, você está no lugar certo!

Além disso, quando o assunto é armazenamento, os monitores Microlife são capazes de armazenar automaticamente mais de 200 medições. O valor é ideal para quem precisa monitorar a pressão arterial todos os dias e não quer perder nenhuma informação.

Além de ser simples de usar e fácil de transportar, o aparelho ainda conta com software exclusivo para facilitar a sua comunicação com o seu cardiologista.

Quer saber mais?! Então, acesse o link para conhecer todas as nossas soluções em monitores de pressão arterial ou fale com um de nossos especialistas, sem compromisso!

Invista na sua saúde, escolha Medhyper.

monitor ambulatorial, monitor de pressão arterial, monitoramento de pressão

Assine nossa newsletter

Gostaria de receber informações e comunicações do projeto MedHyper via email com a opção de descadastramento a qualquer momento.

Contato