Diabetes e cigarro: uma mistura perigosa que pode causar AVC

A cada ano, 17 milhões de pessoas tem um AVC no mundo, 5,7 milhões morrem e enquanto muitas outras vivem com incapacidade permanente, de acordo com dados da Global Health Data Exchange.

Só no Brasil, anualmente, 100 mil pessoas morrem em todo o país, devido ao AVC, de acordo com os dados do Ministério da Saúde. 

O problema é grave, mas felizmente existem inúmeros fatores de riscos, que se controlados adequadamente, podem amenizar o desenvolvimento de AVC.

Dentre os fatores de riscos que podem ser controlados está a diabetes e o tabagismo. Mas qual é a relação perigosa entre diabetes, cigarro e Acidente Vascular Cerebral?

E como diminuir o risco de ter um Acidente Vascular Cerebral? Descubra a seguir!

Mas o que é Acidente Vascular Cerebral?

Um derrame ocorre quando o fluxo sanguíneo é bloqueado para uma área do cérebro, devido a um coágulo ou um vaso sanguíneo rompido.  Quando isso acontece, as células cerebrais são privadas de oxigênio e nutrientes, causando a morte do tecido celular.

Os principais tipos de AVC são:

  • AVC isquêmico: é o tipo de AVC mais comum e acontece quando uma artéria que fornece oxigênio ao cérebro é bloqueada, geralmente por um coágulo sanguíneo. 
  • AVC hemorrágico: esse tipo de AVC ocorre quando uma artéria do cérebro se rompe ou vaza sangue. É o tipo de AVC mais grave e fatal. 

E como saber se uma pessoa está tendo um AVC? Veja a seguir.

Quais são os sintomas do Acidente Vascular Cerebral?

Reconhecer os sinais e sintomas de um Acidente Vascular Cerebral é crucial para ajudar a salvar a vida de alguém. Por isso, veja quais são os principais sintomas que podem indicar um AVC:

  • dor de cabeça intensa súbita e sem causa aparente;
  • fraqueza nos membros e formigamento;
  • confusão, alteração da fala ou confusão;
  • alteração na visão;
  • falta de força num dos lados do corpo;
  • crises convulsivas;
  • paralisia facial que deixa o rosto assimétrico;
  • perda de sensibilidade;
  • dificuldades para permanecer em pé;
  • sonolência ou perda de consciência;
  • náuseas e, até mesmo, vômitos. 

Afinal, por que a diabetes pode causar o AVC?

Antes de tudo, você sabe o que é diabetes? Segundo a Sociedade Brasileira de Diabetes, a diabetes é uma doença crônica na qual o corpo não produz insulina ou não produz em quantidade suficiente.

É a insulina que controla a quantidade de açúcar no sangue.  Assim, se o corpo não consegue produzir insulina ou ou não produz em quantidade suficiente, há um um nível elevado de glicose no sangue.

O excesso de açúcar no sangue contribui para o enrijecimento da parede arterial e também para o acúmulo de gordura no vaso sanguíneo.

Além de alterar o sistema circulatório e metabólico. Tudo isso facilita o surgimento de coágulos, que podem chegar ao cérebro. Então, obstruir uma artéria e, assim, levar ao AVC isquêmico.

Pessoas com diabetes também são mais propensas a ter outras condições que aumentam o risco de acidente vascular cerebral, como hipertensão e obesidade.

Por isso, a diabetes é um dos principais fatores de risco para o AVC. No Brasil, há mais de 13 milhões de pessoas vivendo com diabetes, o que representa 6,9% da população.

Ainda de acordo com a Sociedade Brasileira de Diabetes, metade das pessoas com diabetes morre de infarto ou AVC

Como o cigarro pode causar o AVC?

O vício em cigarro, também conhecido como tabagismo, ainda acomete boa parte da população, apesar da queda do percentual de fumantes no Brasil nos últimos anos.

Segundo os dados  da Pesquisa Nacional de Saúde (PNS) 2019, o percentual total de adultos fumantes está em 12,6 %.

A luta continua, pois o cigarro possui substâncias químicas que são altamente tóxicas para o corpo, causando diversas doenças. 

Além de ser o principal causador de mortes evitáveis em todo o mundo, como as doenças cerebrovasculares.

No Brasil, 428 pessoas morrem por dia por causa da dependência da nicotina, segundo dados do Inca, o Instituto Nacional do Câncer.

Por ano, são 156.216 mortes. Das mortes causadas por uso de tabaco, 10.812 correspondem por Acidente Vascular Cerebral. 

Mas por quê? As substâncias químicas presentes na fumaça do cigarro passam dos pulmões para a corrente sanguínea, afetando todas as células. Dificultando, assim, a chegada do sangue no cérebro, causando um AVC isquêmico. 

Quem já teve um AVC pode fumar?

Não há dúvidas de que o tabagismo aumenta o risco de um Acidente Vascular Cerebral. Mas algumas dúvidas ainda surgem sobre o assunto.

Por exemplo, alguns questionam se quem já teve pode fumar. Ou, até mesmo, se as pessoas que já tiveram AVC podem voltar a fumar.

A resposta é não. Os pacientes que voltam a fumar depois de um  AVC aumentam o risco de morte em até três vezes em comparação aos pacientes que não voltam a fumar. 

E quanto mais cedo o paciente que sofreu um AVC voltar a fumar, maior é a probabilidade de morrer em menos de um ano.

É isso que afirma uma pesquisa apresentada por Furio Colivicchi num Congresso da Sociedade Europeia de Cardiologia.

Diabetes e cigarro x AVC: como evitar?

Você sabia que o tabagismo está relacionado com a diabetes? Os fumantes ativos tem até 54% a mais de chances de desenvolver diabetes do tipo 2 do que os não fumantes.

E pessoas com diabetes que fumam são mais propensas a ter problemas com os níveis de insulina do que os que não fumam, de acordo com um estudo realizado nos Estados Unidos.

Diante disso, os riscos de diabéticos fumantes de terem um AVC são maiores ainda. Então, o que fazer para evitar que isso aconteça? 

Primeiro, nunca fume! Caso você seja um fumante vá parando aos poucos até largar do cigarro.

A segunda dica é: mantenha-se ativo! A atividade física pode prevenir ou retardar o diabetes tipo 2 em adultos que estão em alto risco para a doença. 

Por fim, tenha uma alimentação mais saudável. Isso significa diminuir o consumo de açúcar e alimentos gordurosos. Evite a ingestão de bebida alcoólica. 

Como vimos, a diabetes e o cigarro são uma mistura perigosa que pode causar AVC. Mas isso pode ser evitado. 

Então, se você é fumante, está na hora de repensar os riscos desse mau hábito. Se você é diabético precisa monitorar os altos e baixos da sua glicemia para ter uma vida mais tranquila e saudável.

Estamos aqui para te ajudar. Conheça nossos produtos para diabéticos e cuide da sua saúde!

cigarros, diabetes, MedHyper, microlife, saúde


MedHyper

A MedLevensohn, empresa brasileira de distribuição de produtos para saúde e bem-estar com mais de 18 anos de atuação no mercado nacional, desenvolveu o Projeto MedHyper com o objetivo de prover uma vida equilibrada e de qualidade, com economia, informação, comodidade e tecnologia aos portadores de Hipertensão. Este poderoso aliado tecnológico, baseado nos mais modernos sistemas de telessaúde do mundo, visa trazer benefícios diretos aos seus participantes. De uma forma prática e eficiente, o MedHyper é uma ferramenta importante no controle de problemas crônicos e de difícil solução através de métodos usuais.

Assine nossa newsletter

Gostaria de receber informações e comunicações do projeto MedHyper via email com a opção de descadastramento a qualquer momento.

Contato