Telemedicina e monitoramento de pressão online: Entenda como funciona

Iniciado há mais de 40 anos, a telemedicina cresceu e se tornou parte essencial de hospitais, consultórios médicos particulares e assistência médica domiciliar. 

Afinal, com ela, os serviços médicos de qualidade podem alcançar todos os pacientes em qualquer momento. 

Além disso, ela permite agilizar o diagnóstico de diversas doenças, como a hipertensão arterial, o que contribui de forma efetiva para os tratamentos.

Quer saber como isso é possível? Então, continue a leitura e entenda como a telemedicina pode atuar junto ao monitoramento de pressão online. 

Mas, antes, saiba mais sobre esse recurso tecnológico médico!

O que é telemedicina?

Telemedicina trata-se de um termo utilizado para descrever qualquer prática médica realizada à distância.

Ela surgiu com o objetivo de melhorar o atendimento médico ao facilitar a troca de informações entre profissionais de saúde com os pacientes, independente de onde eles estejam.

A princípio, ela começou nos telefones fixos. Mas com o avanço da tecnologia, cresceu e, hoje, é possível oferecer serviços à distância de diversas maneiras. 

Assim, com a telemedicina, você pode discutir sintomas e problemas médicos com um profissional da saúde em tempo real usando, por exemplo, vídeo-chamadas, softwares e e-mail.

Também há casos em que é possível monitorar as leituras de dispositivos médicos remotamente para acompanhar a saúde do paciente, seja para o diagnóstico ou avaliação de uma doença.

Quais são as frentes da telemedicina?

Após entender o que é telemedicina, sabia quais são as suas principais áreas de atuação:

Teleconsultas

Também conhecida como consulta médica remota, a teleconsulta é uma forma de atendimento clínico virtual. Normalmente, é realizada por meio de vídeo-chamada. 

A teleconsulta deve seguir alguns preceitos básicos, como concordância do paciente em relação a esse tipo de atendimento, sigilo das informações fornecidas durante o processo e armazenamento do resultado em um sistema.

Além disso, o Conselho Federal de Medicina recomenda que a teleconsulta seja realizada após a primeira consulta presencial, exceto em casos em que as condições geográficas não sejam favoráveis.

Ele também determina que o intervalo de atendimento de pacientes crônicos — hipertensão e diabetes — não seja superior a 120 dias. 

Teleassistências 

Outra frente da telemedicina é a teleassistência. Como o nome sugere, ela é o atendimento assistencial à distância. 

Como ele funciona na prática? Geralmente, ele é operado através de um sistema de emergência pessoal em que o paciente aciona de sua casa ajuda quando precisar. 

Por exemplo, quando esse paciente passa mal, ele aperta um botão vermelho e o equipamento liga para a central de atendimento, que está disponível 24 horas. 

Então, é feito um atendimento via telefone e, se for necessário, é enviada uma equipe médica para o local. 

Telelaudos

O telelaudo é o laudo gerado à distância. Esse documento reúne as mesmas informações dos laudos manuais, como exame realizado, hipótese diagnosticada, conduta médica adotada, interpretação dos dados e conclusão. 

E como funciona esse processo? O profissional realiza o exame por meio de um equipamento digital.

Os dados, gerados após o exame, são salvos e enviados para uma plataforma de telemedicina. Ao recebê-los, os especialistas elaboram um lado e o encaminham para o médico que o solicitou. 

Então, o médico envia o laudo para o paciente. Dependendo do resultado, dá início ao tratamento, que também pode ser feito à distância.

Os exames que podem ser laudados à distância são: eletrocardiograma, ECG de esforço, holter de ECG digital, Monitorização Ambulatorial da Pressão Arterial, tomografia cardiovascular e ressonância cardiovascular, dentre outros. 

Quais são as vantagens da telemedicina para profissionais e pacientes?

São diversas as vantagens de usar a telemedicina, tanto para os profissionais da área da saúde quanto para os pacientes.

Uma delas é o fácil acesso às informações. Como os dados dos pacientes e os resultados dos exames ficam disponíveis na internet, os médicos podem acessá-los a qualquer momento. 

Assim, não precisam perder muito tempo procurando pela papelada. Por outro lado, o prazo de entrega dos exames para os pacientes reduz significativamente. 

Afinal, eles não precisam se deslocar até um laboratório para pegar os resultados do exame. Basta acessar um sistema online para conferir essas informações.

Outra vantagem da telemedicina é a segurança das operações. Isso é possível porque os arquivos só podem ser acessados por pessoas autorizadas e mediante identificação. 

Enquanto os documentos físicos podem ser visualizados por qualquer pessoa – embora isso possa se configurar como um crime. 

Além disso, a oferta de um atendimento médico à distância é acessível a todos, pois não há limitações geográficas. Ou seja, independente de onde o paciente estiver, ele pode ser atendido por um profissional.

Qual a relação entre telemedicina e monitoramento da pressão arterial?

Após entender o que é telemedicina e quais são as suas áreas de atuação fica mais fácil entender qual sua relação com o monitoramento da pressão online. 

Devido à importância de um diagnóstico mais preciso sobre como se comporta a pressão arterial de um paciente, surgiu um exame chamado Monitorização Ambulatorial da Pressão Arterial (MAPA)

Ele registra a pressão arterial do paciente de forma intermitente durante 24 horas — ou mais — enquanto o paciente realiza suas atividades habituais.

Esse aparelho é programado através de um software específico que faz as medições automaticamente e armazena os dados.

Então, quando o paciente volta ao consultório para a retirada do equipamento, os dados são enviados para um médico cardiologista para análise. 

No entanto, em locais mais remotos nem sempre é possível contar com esses especialistas de perto. Isso poderia dificultar o diagnóstico dos pacientes e até mesmo comprometer o tratamento. 

Mas, felizmente, a telemedicina mudou esse cenário ao viabilizar a emissão de laudos médicos à distância. 

Basta o profissional da saúde — médico ou enfermeiro — coletar os dados gerados pelas medições e compartilhá-los através de um sistema de telemedicina.

Então, os especialistas logados no sistema podem interpretar os dados do MAPA e emitir um laudo médico, que é assinado digitalmente. 

Em seguida, o laudo é inserido no sistema para que o médico local possa imprimi-lo e entregá-lo ao paciente. 

Ainda não tem o aparelho para o MAPA? Então, você precisa conhecer o Monitor Ambulatorial de Pressão Arterial, do MedHyper!

Ele foi desenvolvido exclusivamente pela Microlife, uma empresa líder mundial na fabricação de equipamentos para diagnóstico médico.

O Monitor Ambulatorial de Pressão Arterial é o único equipamento validado conforme o protocolo da Sociedade Europeia de Hipertensão (ESH) e Associação Americana do Coração (AHA) para medição ambulatorial.

Além disso, esse aparelho é o único sistema validado para detecção de Fibrilação Atrial. Isso se deve graças à sua tecnologia AFIB,

Então, você está pensando em comprar um aparelho para o MAPA? Entre em contato com um de nossos consultores e saiba mais sobre o Monitor Ambulatorial de Pressão Arterial Microlife.

MedHyper, monitoramento de pressão, pressão arterial

Assine nossa newsletter

Gostaria de receber informações e comunicações do projeto MedHyper via email com a opção de descadastramento a qualquer momento.

Contato